sábado, 20 de junho de 2009

DOE VIDA

No filme: “Um ato de coragem”, John Q. Archibald (Denzel Washington) é um homem comum que trabalha em uma fábrica e que vive feliz com sua esposa Denise (Kimberly Elise) e seu filho Michael (Daniel E. Smith). Até que seu filho fica gravemente doente, e necessitando urgente de um transplante de coração para sobreviver, felizmente na trama, o garoto consegue o transplante após muita luta e mobilização de toda sociedade. No Brasil , são raras as pessoas que conseguem um transplante de orgãos, pois o grande problema continua sendo a falta de informação de futuros doadores, das famílias dos doadores e a ignorância de algumas religiões que não aceitam que seus fiéis doem seus orgãos ou até mesmo recebam.Infelizmente são muitas pessoas para poucos orgãos e inevitávelmente muitos acabam morrendo nas filas de espera.
Mas o que pode ser feito?
1°. Divulgar a sociedade que a doação orgãos após a morte pode salvar muitas vidas;

2° Informar a sociedade quem pode ser um doador de orgãos: Cerca de 1% de todas as pessoas que morrem são doadores em potencial. Entretanto, a doação pressupõe certas circunstâncias especiais que permitam a preservação do corpo para o adequado aproveitamento dos órgãos para doação. É possível também a doação entre vivos no caso de órgãos duplos. É possível a doação entre parentes de órgãos como o Rim, por exemplo. No caso do Fígado, também é possível o transplante intervivos. Neste caso apenas uma parte do Fígado do doador é transplantado para o receptor. Este tipo de transplante é possível por causa da particular qualidade do Fígado de se regenerar, voltando ao tamanho normal em dois ou três meses. No caso da doação inter-vivos, é necessária uma autorização especial e diferente do caso de doador cadáver.Não existe limite de idade para a doação de córneas. Para os demais órgãos, a idade e história médica são consideradas.

3° Torna-se um doador ainda em vida: Ninguém deseja a morte, a vida é um dom Deus e que sem dúvida alguma devemos aproveita-la ao máximo, mas como não sabemos o dia de amanhã, a única certeza que temos é do agora. Por isso esta campanha para que você se torne um doador em vida.

Lembrando que a doação de orgãos; é regulamentada pela LEI Nº 9.434 de 04 de fevereiro de 1997 e pela LEI Nº 10.211 de 23 de março de 2001 que reconhecem duas situações:

1. Doação de Órgãos de doador vivo, familiar até 4º grau de parentesco, mais freqüentemente de rim, pois é um órgão duplo e não traz prejuízo para o doador, eDoação de Órgãos ou tecidos de doador falecido, que é determinada pela vontade dos familiares até 2º grau de parentesco, mediante um termo de autorização da doação.

A importância da divulgação e conhecimento da intenção das pessoas por parte de seus familiares em relação à doação de órgãos é fundamental no momento da autorização de uma doação.

O nascimento é a celebração maior da vida, quando uma nova pessoa surge e traz felicidade para todos. Mas existe outro momento que enche de alegria os corações de muitos: o nascer de novo.

A oportunidade de recomeçar a vida, quando as esperanças já são poucas, é o maior presente que alguém pode receber. E existem pessoas que precisam muito deste presente. Por isso, o Ministério da Saúde está investindo na conscientização a respeito da Doação de Órgãos.
Portanto, a sua participação é fundamental.

3 comentários:

Luz disse...

Lisa

Bacana!
E você sabe que estou nessa 100%.
Beijinhos e muito bom estar aqui com vc e bem.

Mônica disse...

Minha irmã Marilia precisou de doador e conseguiu.
Lutamos pela vida e pela doação.
Com amor Monica

mar e ilha disse...

Lisa,
adorei este post. Temos que divulgar este tipo de informaçao. Ah, além disso podemos ser doadores de medula. Basta cadastrarmos no Inca. Apos um exame de sangue será verificado o seu tipo e vc ficará cadastrado no banco de doares. Se algum tipo alguem precisar vc será contactado. E a medula não fara nenhuma falta para o doador, mas será a vida para o receptor.