quarta-feira, 28 de outubro de 2009

SELINHO ESPECIAL

"Chorar por velhos amigos que perdemos não é tão proveitoso e saudável
como nos alegrarmos pelas novas aquisições de amigos. "
(William Shakespeare)

Dedico este selinho a todos os amigos que encontrei por aqui - em especial - ao querido J.Cesar dono deste blog Vendo e Sentindo http://vendoesentindo.blogspot.com/

3 comentários:

R.Vinicius disse...

Oi Lizzie. Parabéns pelo selo. Abraço.

JCesar disse...

Lisa...li ontém, li hoje... e tamanho carinho em seu gesto jamais poderá ser agradecido a altura em palavras. Terías: que perceber meus olhos sutilmente emarear-se; que perceber aquele lapso de instante em que as cordas vocais não conseguem emitir som distinguível, pois o cerebro está mais preocupado com a aceleração cardíaca, a transpiração e a respiração ofegante. Terías que estár pronta a receber um abraço (aqueles que desejamos pelo contato ter a possiblidade de transferir toda a emoção que estamos sentindo). Terías que estar preparada a ouvir frases desconexas, as vezes meio sem sentido, balbuceadas e gaguejadas, causado pelo estupor da surpresa.
O mundo parece ficar como o da propaganda do Citroen C4Pallas, (sic) tudo a volta some.
Assim Lisa, tenha a profunda certeza de que me destes um dos mais maravilhosos presentes de minha vida. Sem demagogia ou qualquer exagero. Conheço-te a pouquíssimo tempo e por um pequeno retangulo e um minúsculo retrato. Mas de uma, digamos, "alma" imensurável. Uma das propostas em meu blog (modestamente, ok!) é a relação interpessoal, independente de onde estejamos. Independente de quem, com quem. Por mais que busquemos 'transformar' (ou adaptar) o mundo, sua natureza continua aí, e assim também a nossa. Somos totalmente co-dependentes uns dos outros para co-existir nesse planeta (e por enquanto,não temos outro disponível). Ao deitar-me ontém, sentia uma sensação que o mais próximo que consigo descrever é um sentimento de felicidade, de uma 'missão cumprida no dia de hoje', sabe? Lemos, comentamos, criticamos, somos mal entendidos. Meus amigos presentes fisicamente, e provavelmente devido a isso, lêem e dirigem-se verbalmente a mim (sempre digo:"comenta lá..."), também estão passando por essa experiência de 'seguir' blogs.
Fiz muitos amigos na web. Orkut e MSN, por serem ferramentas de relacionamento, acabam sendo mais dinâmico com relação a isso. Você está alí, conectado em tempo real com o outro. (terei que continuar no outro comentário, desculpe)
bjim

JCesar disse...

oi...desculpe, coisas do Lab da Facu. Precisei trocar de sala.
(...)

Como dizia, 'construir' uma amizade pelos sites diretos, de relacionamento, é o esperado. No blogger, ou pelos blogs, as afinidades (para uma parte) são os filtros para esse caminho (não?)
Um seguidor não sugere necessariamente ser um 'novo' amigo, pois pode-se fazê-lo de forma passiva, sem digitar uma só letrinha. Ter 'visualizadores', daí seguidores, daí a amizades. Essas, que por justamente não haver um contato real penso ser de um poder maior e diferenciado às não virtuais.

Veja:

Era uma vez uma árvore J.
J, era uma espécime mediana, com uma copa verdejante, que floria e frutificava. Sombreava para o conforto de alguns. Era apoio para outros.
Dado dia, uma motoserra, impiedosamente desmembrou J. em sua base. Na vertiginiosa queda, J. atentava para sua base, agora separada dolorosamente. Não havia como agarrar-se a ela. O choque foi invevitável. J. fora dividido.
Caído, sem sua base, J. sentiu-se findar. Sua base, agora, apenas representava que um dia ali existira e secou. O tempo parecia não passar para J., e vivia a angústia da espera do fim, que não chegava. Por algumas vezes imaginou como poderia abreviar esse espera, mas J. perdia esse desejo quando lembrava-se dos frutos que carregava. Porém, algo novo, que J. não percebera com tanta atenção anteriormente, começou a dar ânimo a J.. Primeiro foi um, depois outro. E mais outro. Passarinhos lindos começaram a pousar em J.. Os passarinhos cantaram e alegraram a solidão de J.. Mais do que isso, os passarinhos fizeram da esperança de J. por uma nova vida tornar-se real. De suas flores, de seus frutos, semearam a sua volta. E assim, hoje, J. vive e cresce, rejuvenecido e renovado, espalhado por um campo verdejante nunca sonhado e tão bem acompanhado.
J. é único, pois embaixo do campo, na terra onde se alimenta e se hidrata, suas raízes são uma só, se entrelaçam e garantem sua sobrevivência. A motoserra não mais poderá destruir J.

Obrigado a você, um rouxinol chamado Lisa entre outros tantos lindos rouxinóis, canários, pardais, piriquitos...

JC
PS:Um abraço muito carinhoso para você.
bjim